meros devaneios tolos.

online desde 13 de janeiro de 2008

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

primeira depois do primeiro quarto

Agora são coisas novas
a esperança de um novo mundo que está por vir
esperança que estava perdida há muito tempo.

Mas nem tudo que o rio traz são boas correntezas
a consolidação de cada perna traz força pra caminhada
e quem fica pelo caminho é levado para o mar.

Pra andar junto é complicado.
É uma vida que quer ser aproveitada
mas esse aproveitar....

É o fio da navalha
são as condições de contorno
É a corda bamba

O que haverá depois daquela porta?
Daqui uns dias eu volto pra escrever
pra me lembrar.

Aqueles que ontem me enchiam o peito
hoje estão exatamente onde quiseram
não onde eu quis.

Que será do amanhã?
Que estranhos versos em prosa sairão?
Ou surgirá nova forma mais cremosa?

Assim como aquele paraense véi que parece que sabe das coisas
assim como a mulecada atrás da bola
Quero voar.


quarta-feira, 14 de outubro de 2015

de repente/ na trilha do velho

Como somos feitos de coisas velhas....
a saudade de um velho amigo
o cantarolar de uma velha canção
trazem de repente aquela energia que um dia nos definiu

até mesmo a própria escrita, se faz da mesma velha maneira...
anos se passaram... quantos deles hein?!

de uma pequena janela de sentimentos efervescentes
nos tornamos agora aquilo a que se chamam homens
no retrovisor ja temos um tanto bom de estrada,
mas ainda existe muito caminho pela frente

olhando pra esse caminho percorrido
quase arrebenta o peito de tanta coisa a ser lembrada
das certezas que tinhamos aos 15
das duvidas que tinhamos aos 20
e que ainda temos aos 25

disso tudo, lembramos tambem de tantas pessoas
tantos amigos caros.

tanta gente que tinhamos ao lado, hoje estão tão longe
como isso ainda impressiona....

a todos esses, dedico hoje esse pequeno texto,
que um dia, quem sabe, será lido..

-------------

na trilha do velho mestre procuramos seguir
pisando em sua linha devagar, destemido.

o caminho se mostra infinito, e que haja espaço no coração
pra todos aqueles que se avizinharem
por longas ou curtas datas....

aos meus amigos da rua, aos meus amigos de infancia
aos amigos de faculdades, aos amigos de senda.
à minha familia gitana, que é toda feita de caminho e de coração.



quinta-feira, 7 de agosto de 2014

volta

O tempo parece ter passado mais rápido.
pode ser a velocidade das informações, pode ser a falta de marcações mais definidas.
Seja como for, o tempo não passa sozinho, estamos andando com ele.
Pelo menos alguns de nós.

Sempre que há melancolia volto para lembrar desses velhos escritos e vejo a linha do tempo.
Anseios antigos que acabaram por me definir, não como ansioso, como vencedor.
A vitória maior é perseverar na derrota, acreditando sem acreditar, lutando sem forças.

Existe essa pequena luz, a menor de todas elas, que não se pode apagar.
Por mais demorado que for, cada um andará com suas próprias pernas.
Cada um a seu tempo, pois assim fomos feitos, assim está determinado.

Tanto aconteceu nesses ultimos tempos. Tempos ao mesmo tempo novos e antigos.
Eu que antes só tinha olhos pros meus problemas, comecei a ver o mundo.
E como um recem nascido, os olhos inchados, nem sequer vejo os contornos.

O tempo passa, nós passamos tambem. Tantos pensaram, falaram, escreveram sobre o tempo
Coitado, sempre pintado como vilão.
O tempo é o caminho. É o tudo e o nada. Apenas é.

Não corra contra o tempo, não lute contra ele.
Não o perca, nem o ganhe.
Apenas ande com ele. Ele é o nosso maior aliado
É tudo o que temos, pois não temos nada, só o que é transitório.

É como uma doença sem cura, com a qual nos acostumamos.
Aprendemos a calma, a paciencia.
Não quero mais versar bonito
nem tentar pintar com as palavras.

Só quero me lembrar sempre que o tempo é o caminho.
É tudo o que temos pois não temos nada

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Há quanto tempo Tua voz ecoa nos corações aquecidos,
Falaste sobre liberdade, plenitude, paz.
Sobre um estado de Ser que ainda não conhecemos.
Amor.

Apenas suas criaturas puras podem regozijar-se diante de Ti
Por serem aquilo que nasceram para ser,
Nos afastamos constantemente de Ti,
Por permitirmos nos enganar pelas sombras do mundo.

Quem tem mais valor do que seu semelhante?
Quanto vale uma vida?
As coisas da Terra nos enchem os olhos, e saímos disparados atrás delas
Enquanto as coisas do Céu ficam ocultas sob o manto da carne.

Tua voz, que é a própria voz dos céus e dos montes
Nos enche de temor e coragem
Pois Tu que és o maior de nós, aqui esteve para sofrer entre seus irmãos
Vieste triunfar sobre aquele a quem veneramos mas que a Deus.

Depois desse tempo todo, ainda erramos sobre a Terra.
Mesmo com todas as Tuas advertências, caímos.
Assim, humildemente Te pedimos:
Olha por nós, não nos deixe cair mais!


quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Minha Namorada


"Meu poeta eu hoje estou contente
Todo mundo de repente ficou lindo
Ficou lindo de morrer
Eu hoje estou me rindo
Nem eu mesma sei de que
Porque eu recebi
Uma cartinhazinha de você
Se você quer ser minha namorada
Ai que linda namorada
Você poderia ser
Se quiser ser somente minha
Exatamente essa coisinha
Essa coisa toda minha
Que ninguém mais pode ser
Você tem que me fazer
Um juramento
De só ter um pensamento
Ser só minha até morrer
E também de não perder esse jeitinho
De falar devagarinho
Essas histórias de você
E de repente me fazer muito carinho
E chorar bem de mansinho
Sem ninguém saber porque
E se mais do que minha namorada
Você quer ser minha amada
Minha amada, mas amada pra valer
Aquela amada pelo amor predestinada
Sem a qual a vida é nada
Sem a qual se quer morrer
Você tem que vir comigo
Em meu caminho
E talvez o meu caminho
Seja triste pra você
Os seus olhos tem que ser só dos meus olhos
E os seus braços o meu ninho
No silêncio de depois
E você tem de ser a estrela derradeira
Minha amiga e companheira
No infinito de nós dois"

O Capitão do Mato Vinícius de Moraes, poeta e diplomata, o branco mais preto do Brasil, na linha direta de Xangô

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Oh Sinnerman

Morrendo de dentro pra fora.
quando o que se é sufoca a si mesmo.
Que prova terrível ter de pagar pelo que é
suportando ser.

A queda rodeia, a vista se faz turva.
pequenos tropeços, pequenas vitórias
Grande é a trajetória.

Buscar a força onde ela não tem fim.
Lembrar que a escuridão é mera falta de luz.
Não temer e entregar tudo ao trabalho.

Não há evolução sem disciplina
onde há disciplina, há limite.

sábado, 4 de agosto de 2012

carregamos erros de momentos passados,
no momento em que a situação se apresenta novamente,
as mesmas tendências ressurgem.

decidir muda-las é refazer a escolha a cada nova situação
é manutenção.
não existe um ponto de redenção, apenas de conversão
existem níveis de conscientização, atingidos com prática e perseverança

Ele não abandona a nenhum dos seus filhos, 
apenas espera pacientemente que voltemos a ele
gradativamente.
entre estágios de iluminação, dormencia, arranjos mentais, enfim.

desta forma, quando mudamos permanentemente algum desses comportamentos
que são reflexos de escolhas ruins feitas no passado,
é o próprio passado que mudamos,
pois é impossível viver só no presente.
ja que o tempo nem sequer existe.

o momento da escolha se esconde quando evitamos pensar.
e assim, ao nos depararmos com as consequencias
ou nos queixamos da ma sorte
ou nos perguntamos como aquilo pode acontecer.

por isso é importante não permitir que as escolhas sejam feitas enquanto estamos de olhos fechados
e é também muito importante mostrar fibra
estamos aqui para prova o triunfo da mente sobre a carne, 
afim de nos libertarmos da carne.

não existe um sentido para existir, existe apenas a existencia
e olhando atentamente vemos, que em raros momentos existimos de verdade.
buscar existir, eis uma tarefa que envolve tudo.

"se um dia me faltar a fé em meu Senhor, derruba essa pedreira sobre mim"

domingo, 24 de junho de 2012

eletrodinâmica

eu quis escrever um samba pra Maria
eu quis compor uma balada pra Ana.
rotacionar um campo que diverge

circular uma área com um campo
para encontrar um fluxo que fizesse sentido.

filosofar sobre valores, envergar um bom português
e vestir de linho meus pobres versos.
quis revidar aquela curicaca, que com suas pernas finas vem cantar de galo no meu quintal

variar a corrente para induzir algo novo.
fazer o que diverge rodar.

mas na eletrostática o rotacional do campo elétrico é sempre zero.
é por isso que minha eletro é dinâmica.

sábado, 16 de junho de 2012

elas

acho que tentei sintetizar na Americana
o que tinha de bom na Vizinha
na Gatinha, e na Branquinha.

É claro que não deu certo. Ela não é nenhuma das três, na verdade nem sei quem ela é.
E o pior, nem quero saber.

Como disse Nietzsche a Breuer, vivemos revirando o lixo de nossas mentes.
reciclar? você está fazendo isso muito errado.

companhia

venho sempre te procurando
desde o inicio dos meus dias
as vezes te acho mas logo te perco

não sei se vestes qual máscaras, pessoas
ou se máscara és tu mesma
quem sabe sejam minhas as máscaras
que me impedem de te ver

quando parece-me ter te encontrado em alguem
parece que encontrei a mim mesmo,
te encontro, enfim, dentro de mim
quando compartilho aquilo a que me é mais caro.

parece então, que o um só tem sentido quando tem mais um
ainda que o mais um seja o um mesmo.
pois às vezes é preciso ser a própria companhia.






caminhos

tanto nos parece existir enquanto caminhamos.
cada decisão de pensar, falar, e agir.
é um novo caminho.
tal qual o não pensar, não falar e não agir.

enxergamos muito pouco para conduzirmos uns aos outros
assim seguimos, trombando.
em nós mesmos

tropeçamos nos nossos medos
nas nossas falhas
na superficialidade etérea, pesada, do nosso ego

o véu da vaidade que nos veta a visão
e nos impede de ver o semelhante tal qual o é
semelhante
nos impede de amar, de compreender, de perdoar.

nos vícios, a alma mantemos presos
preguiça, luxúria.
é no piscar das luzes e no embalo da batida
na noite que começa prometendo desmandos
que deixamos para a ressaca, para os valores, o depois.

no caixa dois da nossa consciência depositamos o desvairo
da cachaça, da mulherada, e da porta aberta
e assim seguimos, reclamando da sorte

a punição de quem se apega ao efêmero é a sua destruição
juventude, energia, beleza.
passa
e quem construiu castelos de areia haverá de amargar quando a maré subir






terça-feira, 24 de abril de 2012

love only

com as palavras se escrevem poemas
e também as prosas.

com a matemática se escreve a física
e o mundo tambem.

com notas se escrevem músicas
com músicas se escreve tudo
momentos, sensações, sabores, dissabores.

com a escrita se traça a historia
que com ações é consolidada
dentre todos os que se esbarram
todo caos que se move ao tempo
se existe Deus, o diabo, ou quem quer que seja
não importa.
Com o amor foi escrito o Universo

O amor que é o mais abstrato dos substantivos,
pois só é substantivo aquilo que existe
e o amor só existe quando é verbo.




terça-feira, 17 de abril de 2012

tied

like an underdog, i feel by her side
my wish is to sail away
between new advetures and loves.

but when i throw myself out there
I can't just leave her behind
cause dreams seems to be made to dream
not to live

we are tied to each other somehow
I'm not sure about what to do
even my words no longer make sense.

the only way out
is live and let die

sábado, 7 de abril de 2012

loose blues

we met years ago
we were both young and green
she was afraid of falling in love
I was afraid of commit

I love her since then
but she became my friend's girl
now I can't take her back
but I know she still loves me

all I can do is live without her
and maybe this is the best way
I'm doing fine by my own
but sometimes it makes me wonder.

she is leaving tomorrow morning
and I won't see her tonight

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

over the rainbow

vamos falar sobre o tá ameaçando, sobre o nome rolando, gerundio do verbo rolar Quando pararmos o tempo novamente, vai ser extraordinário. Discutiremos em cima do carro, sobre as estrelas, sobre Brasília vista do alto, a cidade parece até menos corrupta quando só luzes. Quando pararmos o tempo novamente, vai ser que nem aprender cavalo de pau em celta velho, e aprender sobre tudo de física que eu te perguntar, sobre os reflexos da lua na água e o barulho do atrito. Porque nesse tempo, de algum modo nada se perde nada se cria, tudo se transforma. Quando pararmos o tempo novamente, vamos atrás de uma bateria barata, e escutar histórias malucas da vendedora, de tudo que mais sem noção possível, provavelmente vou falar sobre todos os mesmos nomes de sempre que nem interessa tanto mais, vou torcer para que eu pare com minhas histórias perdidas, vou desistir de tentar controlar o mundo, e vamos dançar forró na 3a ponte, com mais 4 à 5 primos, primas e irmãos, em uma noite onde se esqueceu a identidade. claro que vai ter meu discurso sobre adiar a passagem. - às vezes funciona, afinal, time stand still. Quando pararmos o tempo novamente vamos brindar a ice de cada dia e a garrafa azul de vodca que quebrou "-à garrafa azul de vodca" garrafa que a gente ainda nunca brindou, hope so.. cause I miss you right now.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

disciplina é liberdade

"Disse Jesus: Dai a César o que é de César." Como pode o grande libertador da humanidade ter dito tal coisa? Os impostos que todas as nações dominadas pelo Império Romano tinham que pagar a César eram exorbitantes. Sustentavam orgias homéricas o suor de vários povos tiranizados pelo grande Império, inclusive o pobre povo da Galileia, os próprios pais de Jesus. Mas disse também Jesus: "Meu Reino não é deste mundo" afirmando assim que a verdadeira vida não é a material, mas sim a espiritual. Desta forma nos leva a pensar que a partir do momento em que não se vive a vida da matéria e sim a vida ensinada por ele, somos livres. Do ponto de vista materialista devemos respeitar Jesus por seu imensurável valor moral e por sua conduta idônea e coerente, mas ainda assim surge a questão: liberdade é poder fazer o que se quer, nesse mundo só se faz o que se quer se se tiver dinheiro, então cade a liberdade? Eis que surge da própria pergunta a resposta, a liberdade não é ter tanto dinheiro quanto se possa imaginar, isso é depender de algo que se tem ainda que de maneira efêmera, pois só temos o dinheiro no momento exato em que acabamos de gastá-lo, a liberdade nesse caso reside em ignorar o dinheiro. Evidentemente que necessitamos de dinheiro para alimentação, estudos, cuidados médicos etc, no entanto a partir do momento em que cruzamos a estreita linha da necessidade para a avareza, perdemos o que mais valioso temos. Esse tipo de raciocínio funciona perfeitamente bem para manter as massas trabalhando para enriquecer os patrões; o ponto é, quando a consciência individual se fizer completa e una com a consciência coletiva, cairão reis e escravos e levantarão irmãos. Estendendo esse ponto de vista às diversas escolhas que temos de enfrentar concluímos que a liberdade pode ser buscar a eliminação das tendências que temos em satisfazer o ego, das mais variadas formas. O ego funciona como um monstrinho que carregamos, disfarçado, ardiloso, sempre manipulando nossas escolhas, palavras e atos de forma a permanecer confortável. Sua existência é efêmera e quando sente que está ameaçado ataca, da birra, e perde a razão. por isso é tão difícil ter disciplina. A indisciplina é a casa do ego.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Na Floresta do Tempo entravam apenas os melhores guerreiros da aldeia. Alguns eram bons por terem tido bons mestres, outros por terem boas espadas, e ainda outros, mais raros, eram simplesmente bons guerreiros. Estes ultimos eram capazes de vencer grandes batalhas com espadas extremamente simples, as vezes forjadas por eles mesmos. Dentre todos os guerreiros que entravam na Floresta, havia um tipo que era de longe o mais estranho. Eram os guerreiros cegos. Tinham habilidades para lidar com situações que para eles eram de enorme dificuldade apenas pelo fato de serem cegos. Obstaculos banais como um simples galho espinhoso poderiam ser verdadeiras barreiras para esses guerreiros. Naturalmente que o fato de serem cegos trazia outras caracteristicas que os outros não tinham. Os guerreiros cegos eram dotados de grande sensibilidade e intuição, e uma vez que aprendiam um caminho, jamais o esqueciam. Houve um tempo em que transitava dentro da Floresta um guerreiro bastante peculiar. O que o fazia notório era o fato de transitar entre vários mundos. Era chamado Guerreiro dos Sete Mundos. Normalmente, cada guerreiro transita em apenas um mundo, evoluindo para os mundos seguintes no devido Tempo. Alguns guerreiros se dividiam em dois ou três mundos, mas isso lhes custava muito, uma vez que cada mundo ocupava uma fase do Tempo. O Guerreiro dos Sete Mundos era conhecido por sua falta de habilidade para deixar os mundos anteriores. De alguma forma ele ficava preso no Tempo e jamais conseguia fazer a travessia entre os mundos de forma exata. Era um dos cegos, errante, poucos na Floresta eram mais velhos que ele. Rumores diziam que antes de entrar na Floresta do Tempo ele havia andado pelo Planalto do Centro, em uma época de mais sorte, quando ainda enxergava. Apenas depois de possuir a Consagração do Tempo os guerreiros eram capazes de voltar para o mundo exterior. Alguns fugiam sem concluir a Consagração, mas por isso, pagavam o preço de terem sempre que se arrastar dentro de um Tempo que deveria ter sido superado. Eram amaldiçoados com o peso do mundo em que estavam e a visão do mundo seguinte. Para conseguir as chaves dos portais de cada mundo era preciso dominar o Tempo do mundo em questão. Para cada tentativa fracassada uma marca era feita pelo Tempo; gravada a fogo na testa do guerreiro. Alguns guerreiros não sobreviviam ao Tempo e eram banidos da Floresta...

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

and it makes me wonder. aqui estou de volta ao ninho. ouvindo velhos acordes que ja embalaram noites excelentes... paro um pouco e penso, melhor não parar, penso andando então. duvidas que outro dia me pareceram maiores que o mundo, hoje são apenas passado com o tempo ganha-se confiança e perde-se expectativa. chama-se envelhecer, e ainda sou novo. o fato é que ainda não aprendi a dormir. aqui estou de volta à noite. lembrando velhas noites que parecem ser imunes ao tempo. mantenho a melodia e penso: devia estar dormindo

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

pensamentos

como retalhos me chegam
e chegam a me definir.
chegam fácil, tal qual se vão.
fácil.

na arte da besteira ou nonsense
quem tem letra é rei
e em tempos de letrados desgramaticados
quem tem acento é ônibus.

com tacadas verborrágicas se fazem
hoje os blogs, carreiras e escritores.
tantos tão fracos, tão ruins.
viram rotina em "paginas sociais" (do html: latrinas comunitárias)

a tal ridículo se propõem
de serem artistas de internet
e amanhã os vejo querendo sentar
na cadeira do Machado.

numa apropriação de tudo e todos
a pergunta pedra que segura os valores:
Por que não eu?
assim seguem Caios, Fernandos, Fabricios,
grandes escritores de uma geração que não sabe ler.
louvados sejam vocês.
patéticos.

sábado, 8 de outubro de 2011

fiducia

Um homem não pode viver sem confiança. Não porque não deva, mas por simplesmente não poder. A experiência do viver é alienada do próprio vivente quando este não tem confiança. É preciso ter convicção em si mesmo e em seus propósitos pois a convicção é fruto de princípios e da reflexão. A confiança não significa ignorar novas possibilidades: arrogância.

Nossa capacidade de abstração é limitada, logo não podemos perder de vista o horizonte. Confiança é a medida indireta da capacidade. faz da ousadia como do fracasso mera tentativa. Do acerto um reforço; do erro uma benção.

Confiança na vida é de tal forma pleonástico que chega a ser receita. Excetuando-se o fim da vida biológica; tudo o que se chama de vida é eterno, na medida da adaptação.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

o dia em que abracei um anjo

Ela andava de mão dada com sua professora que eu por acaso conhecia. Depois de eu ter cumpriemtando a professora, ela num superlativo de espontaneidade me abraçou. Assim, de graça. Era loira, tinha uns 94 cm de altura, aluna do ensino especial. Dona do abraço mais puro que ja ganhei na vida.

domingo, 17 de abril de 2011

Eu .

Eu sou o dia que acorda quando o sol dorme
Eu estou no ônibus que anda com a luz acesa
Eu ando na rua iluminada pelo fraco sódio

Eu sou a tenda do bar da tia
Eu estou na fumaça da churrasqueira
Eu ando entre as mesas amarelas

Eu sou o estudande que cruza sozinho a praça universitária
Eu estou nas obras de arte da praça
Eu ando em direção à Escola

Eu sou a vida que brilha através dos olhos
Eu estou onde é preciso
Eu ando sem parar

Eu sou a Noite
Eu estou em todas
Eu ando em Goiânia

busú (parte 3)

Refleti um pouco também sobre sua quase beleza. Não era de modo algum feia, mas também não chegava a ser bonita, alguma coisa em seu aspecto de Marisa me transmitia traços de grande energia e personalidade e ao mesmo tempo algo de superficial e pífio. Engraçado como pensei isso em menos de três segundos e agora gasto vários minutos para descrever. Eu continuava a escrever na agenda, mas o ônibus agora passava por uma região onde o asfalto é sofrido e não mais era possível escrever de forma legível. Guardei a agenda e comecei a anotar as coisas no celular pensando em segundo plano, enquanto tentava da melhor forma apanhar o momento, que seria muito interessante conhecê-la. Curiosidade; força motriz traiçoeira. Provavelmente ela é uma pessoa comum, e se eu a conhecesse bem, talevz preferisse até ficar um bom tempo sem por-lhe a vista. Mas eu não sei. Nada disso é certo, e é ai que mora o interesse. Interesse que está fadado a terminar uma vez que eu possuir um clone dela em minha memória. Quando eu tiver me apoderado de sua personalidade esse interesse poderá sumir. E mesmo que ela me negue essa apoderação, ficando calada, o interesse vai sumir assim mesmo, pois ele é tinhoso e precisa de ser adulado com pequenas provocações para continuar existindo.

busú (parte 2)

Ela me notou não só porque sentei-me ao seu lado. Eu começo a escrever na agenda e ela repara. Começo a imaginar quem ela é, pois sei a cara que ela tem, mas nada sei sobre quem realmente é. Ela reparou um pouco em mim, mas não me permitiu encará-la diretamente nos olhos. Ficamos um tempo assim, sem nos olhar, fingindo que estávamos sozinhos sacolejando pelas ruas da cidade na ultima fileira de assentos do onibus. Quando voltei a olhar, percebi que me olhava de viés, aquele olhar a 45 graus, que foca o nada querendo prestar atenção em algo periférico. Notei que se parecia um pouco com a Marisa Monte, estava vestida com uma blusa polo listrada de azul e branco, que somada a um relogio bonito e seus cabelos bem cuidados lhe conferia um aspecto quase burguês, e digo quase apenas porque andava de ônibus. Refleti um pouco sobre o fato de se parecer com Marisa (perdão pela intimidade, mas ficar repetindo nome e sobrenome o tempo todo é cansativo) e cheguei à conclusão de que não sabia se isso era bom ou ruim. Marisa é excelente intérprete e escreve com certa paixão e propriedade contudo me desagrada um pouco seu tom melancólico e demasiadamente denso e egocêntrico. Me soa um pouco como Clarice Lispector que decididamente sabe juntar as palavras mas também me desagrada por quase nunca demonstrar alguma alegria e olhar demais para seus sofrimentos.

busú (parte 1)

Sempre refleti sobre tanta gente que volta sozinha, cada qual com seus problemas. Tanta gente ao meu lado. E hoje, excepcionalmente, eu só queria conversar um pouco mas não posso falar nada pois sou julgado a todo instante. Não se pode simplesmente puxar papo com um desconhecido sem que este procure uma segunda intenção neste papo desinteressado.

domingo, 3 de abril de 2011

camila?

quem é camila?
perdi a capacidade de me envolver de forma similar a pular de um penhasco. esqueci como é sofrer pela falta de alguem. sinto que quando essa falta aparece qualquer companhia serviria, o que significa que nenhuma é realmente necessária. me despindo de fetiches e emoções baratas bombardeadas por mídias e assimilada por massas eu vou seguindo insípido e sozinho. entendi bem demais que cada um tem seus limites e portanto, tanto não tenho expectativas como não me decepciono. essa linearidade embora confortável é também prejudicial uma vez que cinza as cores e poda certos sonhos. não tenho mais a disposição de aturar defeitos alheios nem tampouco de melhorar os meus para me tornar tolerável para alguem. entendo sim a necessidade de evoluir como processo intrínseco de existir, mas infelizmente não mais dedico isso a ninguém.
quando eu era jovem sonhava com camila, mas ela se chamava carolina, se parecia com vanessa e nós nunca nos encontramos.

domingo, 27 de março de 2011

under

um velho tenis adidas, a noite pra aloprar
um teatro apertado, e gelo seco no ar
depois na praça civica
sentir preguiça no corpo
e numa cadeira de plastico
beber uma cerveja gelada.

é bom, passar uma noite no Martim,
ao som que arde no Martim
ouvindo os underground no Martim
falar de amor no Martim.

Enquanto a Gloom inaugura,
um disco novinho em folha,
comentar com doçura,
uma gatinha caolha.
E com o olhar esquecido
no encontro de perna e bunda
bem devagar ir sentindo
a Terra toda rodar.

é bom, passar uma noite no Martim,
ao som que arde no Martim
ouvindo os underground no Martim
falar de amor no Martim.

terça-feira, 1 de março de 2011

that's life

aquele beijo na boca da sorte de quem tem alguem por quem demorar pra ir deitar. salve a determinação de quem não tem escolha, e mais ainda a de quem tem. no rala só tem uma saída. na energia tem o segredo de não se preocupar com correr ou andar, mas apenas seguir no rítimo que o passo pede.

ta, entre tudo e nada se encontra o que ele eu e nós ja sabemos. não importa, mas que vale a pena comentar quando se sorri à toa, isso vale.

aquela janelinha de vida tá enchendo os olhos mesmo, e de vida mesmo é que a chamo, só que em inglês que é muito mais flow. Life.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

fabula

Ja era tarde e o sono ja aparecia. Sempre a mesma historia, o sono vinha, mas a cabeça não desligava. O traço pisca indicando que o tempo passa e te come o rabo devagar. Ele lembra de Jane, do quanto se amavam, e do quanto se fizeram sofrer por isso. Talvez só aquele velho nojento o compreendesse, ele saberia entender a ãnsia de ação de que sofria esse jovem. Deixa pra la, ja faz tempo que o capitão saiu para o almoço, o navio ja está cada vez mais perto do fundo.

sábado, 25 de dezembro de 2010

aqui, ali.

ele tava la comigo aquele dia. psicografei aquela cesta de três com sua caligrafia. ele tava la. aquela cesta de tres era a dele. a demora pra jogar, o acerto infalivel. senti a saudade dele da quadra. e como.


"microbio não tem medo de nada MICROBIO"



hoje bateu uma saudade do brunão. feliz natal meu irmão. aquele abraço.

domingo, 5 de dezembro de 2010

burn

Com a força do trovão, vem, e incendeia toda a volta. E é tudo quanto pode ser, e em cada parte do que faz coloca-se todo. De tal forma se recria a cada instante sendo tudo que foi e será enquanto apenas é. Distorce a razão e do tempo corre, correndo atrás. Explode em várias notas de diferentes tons, tanto de cores quando de sons. Buscando sempre o tudo, o que nada é, sofisma e segue parando sem parar.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

tao

tento seguir em harmonia.
mas para suportar a harmonia que me sufoca,
levo em mim um pouco do caos.

domingo, 17 de outubro de 2010

Aconteça.

mamãe nao exige que voce ande engomadinho, muito pelo contrario, ela te deixa muito livre pra ser esquisito à vontade. Quanto ao resto das coisas, voce se confunde e comete o mesmo erro todas as vezes: julgar-se e julgar as pessoas pela aparencia. Me espanta isso: logo voce que é um cara tão cabeça ter uns pensamentos tão infantis...

O mundo não se divide entre as pessoas boas e as pessoas bem vestidas, para com essa mania de achar que todo mundo acha que você é um renegado. Doce ilusão a sua de pensar que as pessoas tem tanto tempo assim pra gastar pensando em você. A verdade é que cada um vive de acordo com suas proprias regras, e você so quer ir contra as regras. Crie suas proprias regras e comece a viver de verdade, para de falar do que você não conhece. Começa cara. Você so vê as coisas pelo lado de fora. Criticar é sempre mais facil que fazer. A BMW é muito mais carro que a Brasilia, muito mais confortável e boa de dirigir, alem disso não vai te deixar na mão quando chover. Não seja hipócrita, você tambem quer a BMW. Um hippie pode te trair um dia e um cara de terno pode salvar sua vida. Quando você deixar de olhar pras roupas e começar a olhar pras ações voce vai ver que alguns preconceitos são ridículos e outros são justificáveis....

Quanto ao status, realmente, muitos o buscam, mas não eu por exemplo nunca quis fazer engenharia pelo status mas por outros motivos. Depois que entrei la, passei a respeitar mais as pessoas que se formaram como engenheiros, pois é uma conquista realmente dificil. Respeito. Depois que você tiver conquistado o que você busca, depois que tiver experimentado na pele as coisas sobre as quais você tanto fala, você vai ver a diferença entre o real e o que parece real.

Não gaste tanto tempo nadando contra a corrente. Escolha um ponto e nade até ele, independente do resto.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

keep walking

ja dizia o sábio johnny... keep walking.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

é.

pela sede aprende-se a água.

cansado de novo.
mandano bem daqui, mal dali...
velha historia...

terça-feira, 28 de setembro de 2010

boletim

tenho estado tão cansado,
o tempo não tem me sobrado
e a pilha de deveres acumula-se ao lado.

ao mesmo tempo que me sinto bem
me sinto deslocado.
a faculdade me desanima
o trabalho me causa fadiga.

a galera é massa.
do livro eu tenho preguiça
ganho pouco pra não fazer nada
até parece justiça.

vendi minha alma ao diabo.
ele leva meu tempo, eu fico com a correria.
passa rapido o dia
e eu não gosto de quiabo.

porque quando falta a rima
mais nada me anima
sendo assim o diabo um comediante
a quem presto serviço constante

me vendo num trocadliho besta,
uma cantada furada.
e mais alguma coisa funesta.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

a cantada infalivel

volta la de fora a loirinha baixinha e diz:


- Toda vez que eu vou la fora alguem me pega no pulo!

aí ele mais que depressa:

- Da próxima vez que você der um pulo, me avisa que eu te pego.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

e quem quer saber?

Tanta experiencia acumula-se ao longo de, as vezes, poucos anos. Muito se aprende com as dificuldades, e assim descobrem-se coisas novas e também velhos e redundantes clichês.
Mas quem quer saber? Não importa o que um ou outro ja passou, cada um quer testar da propria maneira e joga todo aquele resumo de jornada fora. Uma verdadeira economia de tempo deixa de acontecer quando não se troca idéias, mas simplesmente não queremos que nos digam as verdades mais óbvias, teimamos até o último instante; até onde doi na carne. Aí sim paramos e pensamos: é... alguem havia me dito que não ia dar certo.

Ou quando não havia ninguem pra nos dizer, pensamos: nossa, se alguem tivesse me avisado... Aí avisamos ao outro, e vemos que na verdade ele não quer saber. Salvo algumas exceções.


para Mateus Ório, que me avisou que as pessoas não querem ser avisadas, mas eu, como não queria ser avisado, continuo avisando.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

uma parte

Disso decorria sua necessidade de isolamento e de independência. Nunca existira um homem com tão profunda e apaixonada necessidade de independência como ele. Em sua juventude, quando ainda era pobre e tinha dificuldades em ganhar a vida, preferia passar fome e andar mal vestido a sacrificar uma parcela de sua independência. Nunca se vendera por dinheiro ou vida fácil às mulheres ou aos poderosos, e mil vezes desprezara o que aos olhos do mundo representa vantagens e regalias, a fim de salvaguardar a sua liberdade. Nenhuma ideia lhe era mais odiosa e terrível do que a de exercer um cargo, submeter-se a horários, obedecer a ordens. Um escritório, uma repartição, uma sala de audiência eram-lhe tão odiosos quanto a morte, e o que
de mais espantoso podia imaginar em sonhos seria o confinamento num quartel. Sabia
subtrair-se a todas essas coisas, a custo de grandes sacrifícios e nisso residia sua força e virtude, nisso era inflexível e incorruptível, nisso seu caráter era firme e retilí-neo. Só que a essa virtude estavam intimamente ligados seu sofrimento e seu destino.


Hermann Hesse - O Lobo da Estepe

domingo, 5 de setembro de 2010

...

"Je voudrais que tu te ramènes devant,
Que tu sois là de temps en temps
Et je voudrais que tu te rappelles,
Notre amour est éternel
Et pas artificiel

Je voudrais que tu te ramènes devant,
Que tu sois là de temps en temps
Et je voudrais que tu te rappelles,
Notre amour est éternel
Et pas artificiel"

sábado, 21 de agosto de 2010

refratou

esperar, ou fazer. estudar e crescer. assim sigo no mesmo caminho, o qual não aparece ate ser traçado. uma linha fechada seguida de rastros e precedida de sonhos. reverso está o tesouro, que de vaidoso não sabe a quem se entrega, maltratado justifica a não entrega, espera, calmo confiante.
as vezes arrisca, as vezes se arrepende. no meio de tudo busca então ser mais tesouro do que reverso, enquanto isso cuida do que realmente parece importar. cresce daqui, esquece de lá. dedicar ao futuro, que jamais decepciona pois sempre promete nunca ser.

domingo, 15 de agosto de 2010

minha única companhia

é a solidão.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

filicidadi

vc e engraçada demais
eu gosto tanto de vc que não faz sentido
minha mente racional não entende

força

é sobre força. administrar, poupar, saber usar.
focar.
é sobre o tempo tambem, como gastar, como ganhar. saber perder.
grande pode ser o crescimento, e colorir a jornada é papel do viajante.
por isso vou mostrando como sou, e vou sendo como posso...
"Vou mostrando como sou
E vou sendo como posso,
Jogando meu corpo no mundo,
Andando por todos os cantos
E pela lei natural dos encontros
Eu deixo e recebo um tanto
E passo aos olhos nus
Ou vestidos de lunetas,
Passado, presente,
Participo sendo o mistério do planeta

[...]

Abra um parênteses, não esqueça
Que independente disso
Eu não passo de um malandro,
De um moleque do brasil"

terça-feira, 10 de agosto de 2010

luto.

"ergam seus copos por quem vai partir
longo será o caminho a seguir
nada será como costuma ser,
nada vai ser facil pra você

[...]

tantos eu ja vi pagando pra ver,
não da tempo de se arrepender.

[...]

eu me despeço de todos vocês
muitos aqui não verei outra vez.
fora o inverno e o tempo ruim,
eu não sei o que espera por mim.
mas pouco importa o que venha a ser
se eu tiver um dia a quem dizer

quero que a estrada venha sempre até você
e que o vento esteja sempre a seu favor
quero que haja sempre uma cerveja em sua mão
e que esteja ao seu lado seu grande amor"



Matanza - Tempo Ruim.

em memória de Bruno Cruvinel Nunes e Helder Matheus Ferreira.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

assim

é assim que eu gosto.
tudo aqui, tudo agora.
falar o que se sente, sentir o que está no ar.

correr no parque, nadar no lago.
bike, futebol.
livro, filme, musica.

carinho, saliva, abraço.
um bom senso de humor,

apague a luz e aumente o som.

meu silencio

meu medo é de nao ser sempre assim.
porque sei que não sou.
essa calma, esse pé no chão.
não são sempre assim.

e diz aquele velho ditado que aprendi com o sábio oraculo:
" tu te tornas eternamente responsavel por quem cativas"

como posso cativar se sei que a metamorfose é ambulante?

sábado, 17 de julho de 2010

bad bad fluxo

e na falta do que falar, acabei falando do que não precisava.
falei deles, falei do velho.
poderia ter falado tantas outras coisas
ou mesmo ter calado.

aproveitado melhor os raros momentos.

ja foi.

do que se deixa

não se sabe do que se deixa, pois la ficou.
não consegui me despedir.


sabe-se sim, do que se traz.
e do que trouxe tenho certeza
aconteceu.

jamais esquecerei o gelo da água.
a ponta afiada das pedrinhas.
e dos cacos de vidro azul.


munimuni, blablabla, blablabla:
soja, matinho;
fungo, difuntinho.

me desculpe. não consegui me despedir.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

roda mundo, roda gigante. roda moinho, roda pião.
na roda-viva de ser quem sou
surfo vivencias de forte sabor.

porque sou andarilho de pensamentos.
caminho sobre ladrilhos de certa medida.
daquele mosaico da vida.

faces

vai então o filho teimoso
de qualquer jeito procurar
uma forma de se encontrar.

afasta-se daquela, aproxima-se desta
casa.
sai de la, vem pra ca.
uma semana? um filme?
não, enquanto durar o tempo
enquanto existir possibilidade.

sobre o que falar? está tudo tão claro pra nós.
e pra todo o universo.
momentos de tensão. sufoco.
faceiros somos nós.

sempre fomos, o preço do momento parece ser o risco.
ou não.
sei que voltarei,
e não nos esqueceremos.
de como um dia fomos faceiros.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Wish you were here

Gostaria de começar sem frases de impacto, ou frases já ditas, mas lamento a sinceridade... sim... são meros devaneios, talvez não a torturar, mas buscando um sentido de... (agora veio um medo de dizer), mas seria algo "latente". São imensas as impressões de primeiro, segundo e.. em tantos planos. Que chego a considerar de pronto algo como irmão. Veja... por isso digo que são devaneios... Como pode se achar uma explicação para um sol que está quase nascendo? Eu não a tenho. Mas enfim, assim é ... a vida... e como mesmo disse... talvez valha mesmo a intensidade...
Sua vez. ps.: não pense.

Como só assim sei fazer, assim o farei. Deixarei que flua de mim os retalhos de pensamentos, como ladrilhos de um mosaico intrincado que chamamos de vida. Momentos tão doces e raros que sabemos que não são comuns: intensidade. cheiro. gosto. textura.
sintonia rara. compreensão.
não se acha em qualquer esquina, essa sintonia fina.
sua vez de novo...

Tá jóia... mas o que será que faz fina uma sintonia? Talvez seja uma velha tentativa de compreender o que não se diz, mas se sente, ou de decifrar o que não pode ser compreendido. Mas assim... tem uma frase muito querida, e que agora veio em lembrança, "eu te vejo", seria possível? (you now...hehe)

essa e uma apresentação unica de um dueto de teclado a quatro mãos. de execução incomum e harmonia complexa. do dialogo entre textos, aparecem "relapsos" de coisa que ja estão tão claras que nos cegam.
tudo bem em ser clichê, pois nem sempre existem formas de se expressar o que não se entende. não existe esse idioma, nem essas letras. uma vez que são, essas coisas, muito maiores que escritas, muito maiores que escritores.
são apenas o fato de não querer ir dormir so pra continuar fazendo qualquer coisa como cantar desafinado ou ler poemas de madrugadas sufocantes, primaveras delirantes e pensamentos amaciantes.

hum... sem palavras... me vêm à mente algumas imagens, como se fosse fotos pintadas com .. sim.. com carinho e admiração, e já lhe mostrei para que escrevi sobre beleza, mas nesse momento vale dizer... "vejo a paz de quem compreende, de que é preciso ser sábio, forte e valente. Beleza polida, pedra de esquina...". Enfim, ... ah não quero dizer enfim, e dar um só direção, mas obrigada pelo tempo compartido, gracias chico! hehe

não esperava que tão cedo, mas tinha certeza que escreveria sobre esses momentos. você, nõs. ainda renderia varias outras palavras, mas resumindo diria apenas: coitado de quem nunca teve um momento assim, :D
ok

terça-feira, 22 de junho de 2010

preto

montanhas de lagrimas se formam ali
quem vai dizer que é mentira?
que hora vai acabar essa brincadeira de mal gosto?

é um exagero, não podia ser assim.
que ele estivesse presente
ainda que mais fraco.

não tinha que acabar assim
um irmão indio preto de olho verde.
sua humildade, coração gigante, nunca esqueceremos

pensam que se foi, mas ainda sinto sua presença
é um triste recomeço, mas tu não morrerás
enquanto não nos esquecermos dos bons anos ao teu lado.

guia, agora de cima, tua irmã que chora por ti
vela, agora invisível por teus pais que não se conformam
sei que estarás presente em cada reunião, em cada momento nosso
assim como sempre fora para nós. um presente.

espera-nos irmão, que um dia nos reencontraremos todos,
de onde estás, ouve este apelo, que sai como oração
prepara-nos a chegada, enquanto tentamos esquecer sua partida.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

a escada

há uma criança que ensina a todos sobre como são as coisas.
e que de tão viva, observadora, sabe de tudo o que ja conhece.
se ouve algo novo, logo ja descobre do que se trata.
não se contenta com pouca explicação, sente raiva e sente amor. sente coisas que sua cabeça ainda não sabe o que são.

no futuro, ela saberá que sentia ja a nostalgia de um dia que se lembraria e que não mais voltará. esse rombo ignorante e brutal sempre aparecerá, e seu dever será combate-lo a cada dia.

há uma linha na equação da vida que resulta no aparecimento desse rombo.

eis o grande vilão da historia.

eis o vilão ardiloso. que deixa a criança brincar de ser grande, brincar de ser dona do proprio nariz, para então chegar e desmoronar sua pequena casa segura, feita de paredes de auto-confiança e cheia de amigos.

o vilão então destroi a auto-confiança mostrando situações que ela não sabe enfrentar sozinha, e tirando de perto todos aqueles que poderiam ajuda-la.

na verdade, ninguem pode ajuda-la. ela terá que se sair dessa de alguma forma. o tempo de todo jeito passará, pois parece ser amigo do vilão. os desafios vem na forma de rounds. ao soar do gongo final, a luta estará acabada. restará saber se o que espera é a vitoria ou a derrota.

existem milhares de musicas, filmes, historias, coisas, e pessoas que dariam certinho com o jeito dessa criança, porém o mundo e muito grande e nem sempre ela encontra esses tesouros. muitas vezes encontra coisas reluzentes, porem falsas. outras vezes o tesouro, como se fosse liquido, escorre pelos seus dedos deixando uma sensação boa por algum tempo e depois desaparecendo completamente.

essa criança um dia cantará uma musica
que falará sobre o universo, explicando a todos como funcionam tudo e todos.
e que contará sobre uma escada, sobre a qual se encontra o ..........?

joga-se

uma das poesias mais bonitas que ja li. escrita por gabriela garcia.


Ostenta em palavras,
que vem a quedar,
queixam os costumes,
almejam o mar...

sede de liberdade que te recorda os navegantes,
sede de aventura, de princesas e viajantes,
rende o grosso espasmo da infame,
vida,

livre e fora das formas,
que podam espírito
pensas a sede de viver
dos jovens em todo seu vigor,

vais viver o agora,
vá tecer o ar,
que almejas
e vai-te embora,

era o poeta que dizia
que alegria se tecia em amar,
em gozar a vida plena
por vezes serena,
dessa clérica promessa
da alegria eterna
ao se ser o amar,

que digo eu?
senão o almejo,
senão o desejo,
de livre e de vida.

que dissera tu....
senão a própria viagem
rota e passagem,
glória selvagem
de se atirar,

poesia.

terça-feira, 1 de junho de 2010

elas

às minhas maiores escritoras e leitoras: gabriela e isabela.

uma saudação oriental. à vocês, garotas pós-modernas, que sabem demais de coisas que não se aprende se não tiver olhos no coração. a vocês que tem uma aura etérea e densa ao mesmo tempo, que sabem ser gente, espirito e ate bicho. que sabem falar o que não se fala normalmente, e que alguns ate tentam. pra vocês que escrevem pelo simples prazer de escrever, e que sem se preocupar, escrevem bem.

pra vocês eu escrevo, e pra quem mais quiser ler. ou até mesmo se ninguem quiser ler.
porém devo dizer que uma das coisas mais bonitas que existe é essa correspondencia entre postagens de blog... pra vocês duas, pedaços de mim que moram longe, dedico essa postagem e todas as outras que vocês quiserem, para essa estranha comunicação que se completa e se entende de tempos em tempos, a longas distancias.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

nomes

são como chamamos as coisas. por nomes.
me chamo tales. nunca gostei desse nome. não me parece adequado pra mim.
mas acabei sendo ele. acabei sendo esse nome. quando dizem tales eu tenho que olhar, porque se referem a mim. assim quando querem falar de varias coisas que tem tudo a ver comigo, e que são as coisas mais importantes pra mim, dizem: tales.



assim sendo, chamarei!

convoco então:

primeira fila:
nishijima, horstman, h. tomazetti, g.b.lima, p. maia, l. garcia, a.c. barbosa, a.c. lisita g.wanderlei.

segunda fila:
l.t.pimentel, e.r.duarte, r.b.amaral, l.t.souza, e.martins, m.mesquita, m.stripes, b.indio, e.jr, f.thibaut, k.t.filho, j.neto, v.borges, p.josé.

em primeiro momento são estes apenas, futuramente por certo haverão mais. passadamente certamente houveram.

se ninguem lê não tem problema.

ainda serei artista um dia, quem sabe.



esses nomes chamam, juntos, tales.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

nova cara

para combinar comigo.

tal foi o vazio que me passou a preencher que nem mais escrevo como antes.
não é a falta que sinto de você, mas a falta que sinto de mim mesmo.
como ousa ir embora e me levar boa parte contigo?

agora me parece que seguirei assim incompleto para o resto de minha caminhada,
antigas ideias, costumes, manias me fogem agora. como se pode arrancar de tal forma uma coisa tão etérea não sei. o que sei é que pouco de você me invadiu tambem, e pouco de mim se transformou, talvez pra sempre, por sua causa.

ja não tenho mais fé no amor proveniente de uma relação entre duas pessoas. ja não acredito que as pessoas mereçam o valor que as vezes eu dou a elas. e não é necessariamente porque não valham, mas é porque quando são bem tratadas, esquecem de tratar me tratar bem.

por mais que digam o contrario, senti na pele que quando não se pisa, se é pisado. que coisa é essa dedepender de alguem, de sentir essa falta doentia, visceral? minhas frases são mais longas, minhas rimas mais latentes, minhas ideias mais cinza.

não corro mais atrás de ninguem, não quero que ninguém corra atras de mim. so quero que me telefonem quando sentirem vontade, e assim eu farei tambem, se julgar conveniente. espero que eu arrisque bastante, e espero distribuir boas lembranças em quem conviver comigo.

minha forma de aproveitar o que nem sempre se repete é uma boa vantagem. espero encontrar pessoas que tambem saibam valorizar momentos que são unicos. esperar o proximo ônibus porque a conversa está boa. gastar um pouco mais na beira do mar, discutindo se ele vai ou se volta.

uma hora a nossa vez chega, so precisamos estar de olhos abertos. por mais que seja triste, a nossa vez não foi essa. a minha será longe de você e a sua será longe de mim. isso doi porque me sinto seu dono e vice-versa, mas larguemos de lado o apego e deixemo-nos ser felizes plenamente, sem precisar procurar essa felicidade em momentos que nunca tivemos.

sempre foi torto, sempre faltou alguma coisa. deviamos apenas bastar. mas não bastamos. você nao basta. eu sempre precisei de mais, e a culpa não é minha e nem sua a partir do momento que entendemos que isso é apenas uma diferença. meu relogio corre mais rapido que o seu, e eu estou aqui ha mais tempo.

você nunca pediu que eu tocasse uma musica pra você. interessante como essas velhas sensações me saem como uma roupa que se troca. algo extremamente externo, que por um certo tempo me identificou, mas que agora eu simplesmente removo do meu corpo. olho pra essa camiseta surrada, pequena e desconfortavel e penso que por mais que ela me aqueça, é melhor eu me exercitar e me manter quente do que simplesmente viver nesse desconforto que me mantem aquecido porem parado.

certas brechas da minha alma você nunca desvendou, uma gargalhada bem dada você nunca me arrancou. assim aprendi a rir sozinho. e assim estou, sozinho, rindo.

nem a menor ponta de nostalgia me vem à mente agora. é so uma falta de inspiração e uma coisa sobre a qual queria escrever um pouco. é so por isso que estou escrevendo.

live, and leave me.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

flor do cactus

flor do cactus
ao lixo ela disse estar acostumada.
estranho como os asnos jogam boas coisas fora.

ela me lembra minha mais selvagem essencia
lingua de fora e careta no retrato de familia.

personalidade forte. espirito livre.

que joia rara. pesada. densa.
intensa. linda.

sem cabrestos ela segue
por onde seus passos entenderem de ir
como um buraco-negro ela me atrai
em seus olhos so vejo o desgoverno e o caos


para colher a flor do cactus, é preciso enfrentar com os espinhos
mas seu cheiro compensa toda sua falta de cor

noite vermelha

suspenso em um milhão de frases, moldes e vidas.
sou vários: fortes, fracos, calmos nem tanto.
meus sons são agudos e estridentes,
pra lembrar que ja começou, acostumei a me gritar.
e a calar.

eu vejo cores tão vivas, pessoas tão mortas.
quando não me suporto, me encontro comigo mesmo.

na liberdade, encontrei a disciplina.
na solidão encontrei a melhor companhia
na amizade encontrei a maior pureza.

na dor todos somos iguais,
mas a minha dor so dorme em mim.
acorda em mim so minha força.
a vitoria de atravessar o tempo deixa as dimensões mais proximas

e quando se tem a si mesmo
nada mais e necessario
pois todo o resto vira consequencia

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

a loira

a loira balança.
cabelo balança.

aura, nitida de perfeição.
magnetismo...

tao evidente, nada obvio.
escondido entre os dedos, aqueles olhos perfurantes.

me faz menino. como naquela velha musica.

aiai, fazer o que?

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

ja dizia charles bukowski...

... de manhã
eles estão lá fora
ganhando dinheiro:
juízes, carpinteiros,
encanadores, médicos,
jornaleiros, guardas,
barbeiros, lavadores de carro,
dentistas, floristas,
garçonetes, cozinheiros,
motoristas de táxi...

e você se vira
para o lado esquerdo
pra pegar o sol
nas costas
e não
direto nos olhos.


==============================


É este o problema com a bebida, pensei, enquanto me servia dum copo. Se acontece algo de mau, bebe-se para esquecer; se acontece algo de bom,bebe-se para celebrar, e se nada acontece, bebe-se para que aconteça qualquer coisa.


=============================


A dor é uma coisa estranha.
Um gato que mata um pássaro,
um acidente de automóvel,
um incêndio...

A dor chega,
BANG,
e eis que ela te atinge.

É real.

E aos olhos de qualquer pessoa pareces um estúpido.
Como se te tornasses, de repente, num idiota.

E não há cura para isso,
a menos que encontres alguém
que compreenda realmente o que sentes
e te saiba ajudar...


=======

Postagem dedicada áqueles que em algum momento ja sentiram que a vida parece não valer a pena. Casa, carro, faculdade, trabalho... tudo isso pra terminar comendo grama pela raiz...

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

nome proprio

pensamentos aos retalhos.
sentimentos com atalhos
xingamentos: caralhos.

anti poesia, esccrita escrota.
ou não.

ventilador, mesa, noite.
computador, insonia, experiencias.

correria, bateria, putaria.

tantos riffs somem, ideias de cenas, ideias de frases.
uma musica não escrita,
um filme não sonhado,
um livro não publicado.

vender. frases de efeito de grandes escritores explicariam melhor,
eu diria apenas que nós nos vendemos o tempo todo, e nos sentimos sem identidade por isso.
trocamos o dinheiro pelos nossos bons momentos,
não compre seu filho com um videogame. não tente recompensa-lo por sua ausencia comprando coisas que o farão mais burro.



biologicamente; nascer, crescer, reproduzir e morrer
financeiramente; nascer, se vender, receber, comprar, se vender, receber, comprar...

respirar. respire. tire a cabeça desse balde de merda e respire. tenha metas, mas saiba que se você cumpre sua meta à risca, se tornou uma máquina, portanto pode ser substituido por ela.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

assuntos diversos

um conselho de um amigo. uma boa forma de descontração. boas ferramentas.

a questão é sua, sempre sua.

use a cabeça para atingir o melhor resultado com o menor esforço, sem fugir do trabalho duro quando este se mostrar necessario, sem ficar paranóico com as perdas e desperdícios.
nem tudo pode ser previsto, porém se existe a reflexão no modo de fazer as coisas, ganha-se mais experiencia com menos tempo.

quantas cabeçadas são necessarias para fazer entender que a parede é dura?

cerveja faz mal?
e trabalhar, faz mal?

cerveja faz mal para o fígado. ficar irritado também. cerveja relaxa.

trabalhar toma tempo. amar também. amar descansa.

trabalhe para comprar cerveja gastar tempo com quem você ama.

e enquanto não sabe o que fazer, ajude quem precisa, esse é um bom passatempo

terça-feira, 11 de agosto de 2009

salve jorge

e onde estão as rimas e bonitos trocadilhos? essa é a sua marca. boa escrita, boas ideias. bom conselho, boa irmã. Quem é essa, que me escreve sem ter meu endereço? Que fala comigo sem que eu ouça sua voz? Que mesmo distante se mantem presente?
É a minha escolha sim. Não importa se a guerra é contra mim mesmo ou se contra todo o resto, qual seria a diferença? Sei que me responde, não sei se me entende.

deitar o cabelo.. tudo o mais ficou pra trás. dinheiro e status é para os fracos...
-------------------------------------------------------------------------


"vai buscar o teu caminho, nunca olha para trás"

escutei tambem a advertencia de um irmão mais velho que me disse com muita propriedade sobre seu conceito de "parálise".....

nesses momentos se sabe quem se importa com a pessoa e quem se importa com o status.
escolhas são nossas proprias imagens... se ao longo do tempo mudamos, isso sera mostrado segundo nossas escolhas...
escolha, escola.
aprende-se muito com tudo isso.....

tantos irmãos eu tenho, e por isso sou grato.
-------------------------------------------------------------------------







Jorge sentou praça na cavalaria
E eu estou feliz porque eu também sou da sua companhia
Eu estou vestido com as roupas e as armas de Jorge
Para que meus inimigos tenham pés, não me alcancem
Para que meus inimigos tenham mãos, não me peguem, não me toquem
Para que meus inimigos tenham olhos e não me vejam
E nem mesmo um pensamento eles possam ter para me fazerem mal

Armas de fogo, meu corpo não alcançará
Facas, lanças se quebrem, sem o meu corpo tocar
Cordas, correntes se arrebentem, sem o meu corpo amarrar
Pois eu estou vestido com as roupas e as armas de Jorge

Jorge é de Capadócia, viva Jorge!
Jorge é de Capadócia, salve Jorge!

Perseverança, ganhou do sórdido fingimento
E disso tudo nasceu o amor
Perseverança, ganhou do sórdido fingimento
E disso tudo nasceu o amor

Ogam toca pra Ogum
Ogam toca pra Ogum
Ogam, Ogam toca pra Ogum

Jorge é da Capadócia
Jorge é da Capadócia
Jorge é da Capadócia
Jorge é da Capadócia

Ogam toca pra Ogum
Ogam toca pra Ogum

Jorge sentou praça na cavalaria
E eu estou feliz porque eu também sou da sua companhia

Ogam toca pra Ogum
Ogam toca pra Ogum

terça-feira, 4 de agosto de 2009

meros devaneios tolos a me torturar

sempre me colocando na mesma armadilha...
e perguntando. qual o sentido da vida?

viver por viver? viver por amor? viver por amar?
nem sempre consola...
as vezes nem cola.

.......................

a cada viagem no velho caminho pisado brota a esperança ludica de um momento de gloria onde tudo seria reinventado de forma mais profunda porem mais simples...
todos vão e vem. um dia uma aspiração, inspiração, e expiração.. outro dia nada...
na maioria dos dias, nada...

loucos, caretas, e outros opostos, com seus valores e defeitos... não são o suficiente.
nunca serão...
o caminho, é so um, e eu sou pequeno demais perto dele, contudo não estou parado.

.......................................

domingo, 19 de julho de 2009

be strong kid

depois de um mês de abstinencia, aqui estamos....

Aprendi a não negar a intensidade quando ela se apresentar de forma tão singela. O nosso tempo passou, não haverá mais volta.. talvez um outro dia nos encontremos de novo em outras voltas do mundo, mais o que se foi está registrado na pedra, e tanto será lembrado como impossível de reescrever.

Só nos lembramos realmente de quem nos apoia quando precisamos de apoio. Que isso não se repita. Aprender com os erros é ser humano.

Quem vale mais, o que vale mais... destino? escolha? o que realmente nos é dado?
ate onde vão as nossas escolhas? não sei, só sei que vão muito além do que enxergamos...
se compreendessemos todas as nossas escolhas então não haveria futuro e nem passado, porém nos somos cegos batendo contra a parede.

Que eu seja o menor, mais humilde e mais silencioso, pois a verdadeira sabedoria não pode ser expressa por palavras de nenhum idioma, assim, me calando, parecerei ao menos, menos tolo.

todas e nenhuma ou uma e só uma?
tudo e ninguém ou todos e nada?
olhar pra frente e pra baixo ou pra trás e pra cima?

dualidade?
não, bobagem.

domingo, 21 de junho de 2009

Here Comes the Sun

Little darling, I feel that ice is slowly melting

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Equilibrio

"here comes the sun, here comes the sun and I say:
it's all right....
little darling, the smiles returning to the faces..."


que o mundo todo sinta, um dia, a paz que eu sinto ao ouvir essa musica!

post dedicado exclusivamente a todas as pessoas que eu amo. amigos, amigas, familiares... enfim, se vc acha que esse post é pra vc, tenha certeza de que é!!

com profunda admiração eu repito aqui as palavras do meu grande primo, cleyverton, que se casou nesse fim de semana:

"se existe algum significado para a vida, esse significado esta em amar"

...............

"I get by with a little help from my friends"

quarta-feira, 3 de junho de 2009

sobre brasilia

não importa quanto tempo se perde;
quando é intenso, ganha-se a eternidade.
não importa se ate quando vai durar.
se for intenso sera inesquecivel.

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Procura-se


Procura-se uma garota diferente:
uma que seja bonita, educada e inteligente.
com alguma cultura, sem muita frescura e que goste de rapadura
que seja ousada, determinada e sorridente

Disposta a arriscar, a viajar e a imaginar.
Segura, madura e apaixonada por aventura.
que seja mental, carnal e espiritual;
que saiba o que é respeito e não tenha pré conceito
que tome banho de chuva no verão
que saiba cantar e tocar violão

Procura-se uma garota de vocabulario travestido
que não tenha marido ou algo parecido...
que goste de cinema, e aprecie
a arte de um simples poema

domingo, 17 de maio de 2009

who?

pra quem são todos esses poemas?
pra quem fizer questão de entender
é, eu sei.
pra ninguem mesmo.

que tu gostas

é de poesia?
é de pensamento?
do violão?

deixaste o fluxo do trivial
agora estas no alternativo.
que também é fluxo
sempre será.
sempre é
mais nunca o mesmo que o meu..
Intangíveis,
Einstein explica...


não tentas entender
não tentas explicar
assim sempre vai ser

não vou mais esperar
ela perceber
que até o sol raiar
pra ela eu posso escrever.

rimado ou não.
nem sempre tão estético,
nem sempre tão profundo
so o que ofereço e a sinceridade.
que é tudo que tenho

paga pau

se ele escreve melhor que eu
que venha e aguente a batida
agora que o couro ja esta amaciado
e aquele velho selo ja foi rasgado

pois que venham
agora que está mansa
se são melhores que eu

justiça? não, não há.
aqui so há egoismo, orgulho, e desencontro.
falta de sintonia, contemporaneidade.

pois veja nele seu futuro,
tu que aprendeu tão bem que hoje ensina ao mestre

só não se esqueça de se esquecer.
um dia eu sei que vai esquecer
que o couro, o selo e a batida...

ele é melhor que eu
pode ir mais além
pois va enfrente
você sempre deixou a desejar,
e assim continuarei
te desejando.




-------------------------------------------

[prefiro o meu sobrenome]

ânsia

aqui estou eu de novo,
sufocado de mim mesmo
buscando ansiosamente ares que não os meus.

face a face com o pior de mim
engasgado com o sabor do meu proprio veneno
aquele estado de profunda amargura:
remorso.

por Deus, que eu me cale da proxima vez.
pois não importa o que for calado ou dito;
tudo vai passar.

não vale a pena descarregar,
trazer pra fora, algo que de dentro ja incomoda.
não externe a angústia que enche seu peito
que sem ela ficará vazio.

e ela uma vez fora dele, se abrigara de algum outro.
e pagará pelo crime a testemunha, não o culpado.

agradecendo sua paciencia,
so te peço que não cometa esses erros,
e deixe aquela ultima nota soar
enquanto durar a provação.

----------------------------------------------------------------------------------
[não adianta; a culpa não é de ninguem. aguente sozinho, sofra calado, e quem sabe amanhã a saudade te cure]

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Deixe ser Poesia

Se eu pudesse ao menos
encontrar a fonte
onde bebem ao luar, no monte
Parnaso; redondilhas:
maiores ou menores. Que nem as lemos

Queria eu saber
Juntar de formas finas;
conhecer
o desfexo de belas rimas

[que]Deitadas estão
Desacordadas então
E de dentro do Eu, lírico ou não
Saem como o vento
ora calmo,
ora violento.

Podadas as ideias caem.
e as rimas não mais se encontram
perdidas na correria....
Deixe ser poesia,
que uma vez escrita
Quem mais leria?

Para rimar com vendaval ou ventania;
Precisar ser genial ousadia....









sugestão de musica: kiss - lick it up

segunda-feira, 11 de maio de 2009

saindo do forno!!!!!

postagem novinha em folha para combinar com o novo visual do blog! conforme prometido, ai vai o primeiro (sem titulo):


E me falta aprender;
Musicalizar, entender:
Que amar a escrever
é mais do que transcender;


Que minha antologia
ora interna; nostalgia
Só me fará companhia
Quando tocada em piano e bateria.




musica do dia: raul seixas - gîtâ

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

sinta-se.

quando tristezas te aflingirem o coração;
quando sua alma estiver densa,
sinta.
sinta a energia que flui de alguma forma
de algum lugar
de dentro de você.

Sinta sua respiração,
sinta o fluxo de pensamentos
que brota como correnteza;

ouça a doce voz de norah
ou o apelo intenso de janis
deixe o ritmo de amy conduzir seus passos.

respire. sinta como o ar traz tranquilidade
não apresse o compasso;

aquele que se sente não morre.

a nostalgia é uma prisão
o passado existe e nos constitui
porem ele nao e nada mais que passado.

a vida é um mustang v8
agitado, andando a sete mil giros
seus pneus não o seguram em linha reta
sequer na pista.

tudo o que tem a fazer é conduzi-lo com cautela;
você não escolhe onde ele vai;
no maximo desvia das paredes
o conduzindo por um caminho mais seguro.

não o deixe seguir sozinho;
faça questão de guia-lo.

TENHA SONHOS SEMPRE!
AME SEMPRE!

sinta, respire, conviva, coexista, divida.

dividir é multiplicar.

baratine-se. escolha sua onda, segure ela.

toque bateria, tenha projetos, realize-os.

domingo, 11 de janeiro de 2009

doismil enove

carai, quando eu fiz esse blog ainda tava no final de 2007. se me perguntasse eu diria que fiz ele recentemente, mais ja tem mais de um ano e eu devo ter postado menos de dez vezes....

me deu vontade de escrever aqui quando dei uma bisuntada (passada rapida) no blog do mateus.
parece que um problema que eu tenho que resolver é a minha indecisão... ca estou eu de novo indeciso sobre qual caminho tomar... se eu nao tivesse voltado pra goiania talvez estivesse mais estabilizado em brasilia. ou talvez nao. voltar pra la? nao deixa de ser uma opção... transferencia de curso na ufg mesmo? tambem.... as opções são varias. o problema e a firmeza de decidir. de querer e alcançar.... sera se isso tudo e medo de fracasso? falta de referências? de objetivo na vida? talvez ate falta de definir um estilo de vida....

enfim.

ferias são sempre ferias e pela primeira vez to curtindo ferias de 3 meses inteiros (wooow)
a falta de habito de escrever aqui e o conversê no msn tão me atrapalhando a produzir um texto legal, portanto vou encerrar por aqui e prometo voltar sempre e com inspiração.


musicas recentemente ouvidas: eric clapton - layla; alice in chains - down in a hole; dentre outras de praxe

terça-feira, 5 de agosto de 2008

como sempre estou perdido em meio a decisões difíceis.

não tenho saco pra essa vidinha comum que você aprendeu com mamãe e papai;
o esquema é saber aproveitar o momento sem ser imediatista ou impulsivo;
entender que cada coisa tem seu momento e que o momento foi feito pra sumir e dar lugar a outro momento. (como disse uma vez)

se quiser ouvir blues pra relaxar, tomando aquele whisky no quart'xcuro ou no telhado, pode contar comigo, com janis e com muddy....


que saudade que me da daqueles bons tempos em que meu olhar esperto mostrava a destreza diante da situação, como um velho taxista que sabe exatamente onde os caminhos da cidade o levarão. aquele olhar de rapina, que sabe, que ja tem tudo calculado pra agir....

durante esses vinte meses eu nunca soube onde iriamos chegar, eu estive sempre preparado para o inesperado, em alerta, dando o melhor de mim nas primeiras partes da corrida;
mas isso me fez cansar, e na hora da subida eu ja não tinha mais o mesmo pique, e agora eu vejo algo que me parece uma reta final, porém tenho a estranha impressão de que dessa vez não subirei no pódio. o tempo não voltara e a largada nao sera dada novamente. parece que algo ficou para trás, talvez tenha caido em alguma curva fechada...

a lembrança do meu esforço no começo da corrida, e a frustração de não me sentir um vencedor me cega diante da possibilidade de a reta nao ser a final, mas sim apenas uma nova etapa da corrida.

a possibilidade de desistir dessa tentativa ja tão desgastada e me preparar mais calmamente pra uma outra me tira mais ainda as forças de continuar. posso ate sentir saudade dessas curvas que ja conheço tao bem, porem pode ser melhor assim.


musicas: fuga numero dois - os mutantes; piece of my heart - janis joplin

domingo, 18 de maio de 2008


morando fora de casa

tudo fica diferente

aqui ja não sinto frio

mas lá, ja sinto quente


mudou um pouco também

o misto do que se sente

mas quando volto e vejo meu bem

nada muda entre a gente


Domingo a partida e doída

Segunda, e pegar no batente

na Sexta, a estrada e comprida

mas por ela eu vou sorridente

domingo, 30 de março de 2008

ahh, brasilia. brasilia e uma cidade bonita, cheia de gente metida e feia. o mesmo se aplica à universidade de brasilia, e um lugar cheio de gente maluca, incluindo eu. acho que eu tenho algum problema serio saca? acho que a qualquer momento eu posso perder pra sempre minha sanidade; eu acho que eu sou o oposto do grande Tim Maia, que segundo uma amiga dele, sohnava como careta mais era doidão.
Acho que o meu problema e que eu sonho como dodão mais sou careta, me sinto tão estranho, deslocado, sei lá. tenho medo de ficar maluco, de suicidar, de acabar ficando drogado enquanto procuro respostas pra perguntas que eu nem sei quais são.
Pode ser a tal da mediunidade que está se desenvolvendo sem acompanhamento, mais pode não ser nada disso.
minha vontade de viver a vida toda de uma so vez se opõe ao medo que eu tenho de que o tempo passe e a velhice chegue, trazendo consigo as limitações físicas e mentais...
tudo seria mais facil se eu simplesmente não existisse, se eu nao tivesse nascido ou se Deus não tivesse me criado. Acho que esse e o fim da nossa tragetoria, acho que nós evoluimos atraves de meditações, caridade ou o que quer que seja, para podermos um dia chegar ao maravilhoso estado do nada absoluto, simplesmente deixar de existir... ah cansei. minha net deu pau, ai quando eu entrei no msn de novo a ana tinha saido, e isso me grila muito, nao sei por que.
ah caralho
acho que eu so um caso perdido
to mal cara...

quinta-feira, 6 de março de 2008

amigos


Se grandes escritores da nossa língua escreveram sobre a amizade, eu tambem posso, porque para descrever a amizade so e preciso saber escrever e saber sentir.

Poucas coisas são tão revigorantes como uma boa conversa com velhos amigos, não que os novos amigos sejam piores, mas é que com velhos amigos nos lembramos de velhas historias e velhos projetos, que na maioria das vezes esquecemos de colocar em prática.

Uma vez munidos dessa nostalgia positiva, encontramos forças para enfrentar nossos novos medos; aquele sorriso de quem pode tudo reaparece nos cantos da nossa boca e nos lembramos que costumávamos ter fé na vida e o poder de mudar o mundo.

Uma boa conversa com amigos, escutando aquele bom e velho rock'n roll... ah meu deus, a quanto tempo não faço isso.

Ficamos atordoados com as responsabilidades que mais cedo ou mais tarde aparecem, ficamos de olhos quase vendados; so enxergamos o fim da semana, e quando ele finalmente chega, estamos cansados demais para pensar em diversão.

Para que trabalhamos tanto se não levamos nada adiante senão as nossas experiencias e os nossos aprendizados? Não podemos deixar o dinheiro nos administrar; é claro que ele e necessário, porém, nenhuma soma dele vale a soma dos bons momentos que deixamos de passar enquanto o perseguimos.

Tenhamos fé na amizade, que é a força que transcende o tempo e o espaço, que é mais sincera que o amor, e que nos põe de pé quando já estamos de joelhos.


(a imagem acima e um fruto do meu tempo ocioso de 24 horas por dia, pelo menos eu crio alguma coisa...)

musica do mês passado: os mutantes - tecnicolor

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

CHAVES CHAVES CHAVES

http://www.wikipedia.org.br/wiki/Chaves


merece um post exclusivo!

tempo


bom o tempo, quanto tempo eu ja gastei pensando no tempo... sera se podemos voltar no tempo?

por que e que a gente nunca esta contente com o tempo? ou ele ta passando muito rapido ou muito devagar, quando esta bom, ja passou...

aiai.. to em crise de abstinencia de namorada, tem tres dias ja que eu nao encontro com a ana, e isso e grave! preciso encontrar com ela amanha, vou la na casa dela pra matar a saudade. to achando que a nossa viagem pra caldas novas vai acabar miando por que o pai dela anda muito estressado, e ele no estado normal ja nao e dos mais bonzinhos...

sabe a luz no fim do tunel? pois e, a minha e essa viagem, ta rolando muito de ir saca, espero que nao de errado, por que ir pra la sem a ana nao ia ser legal.

ando meio estranho nesses ultimos tempos, do ano passado pra ca minha vida mudou pra caralho, meu pai saiu daqui, e mesmo que eu odeie admitir, sinto falta de um cara pra me mostrar o rumo da vida... as despesas da casa despencaram sobre a minha mae e o lenin, e agora ta tudo fudido. antes pelo menos meu pai mandava uma grana pra mim mais ou menos uma vez por mes, pra fazer as despesas da escola mais agora nem isso, alem de nao ter a presença de um pai por perto eu nao posso nem sair com minha namorada nas ferias por que estou quebrado e nao tenho nem coragem de pedir grana pra minha mae, pq ela ta espremida com as contas da casa e a escola do lucas... se eu nao passar na federal ai fudeu tudo, vo te que começa a trabalhar logo e enfiar a cara nos livros pra prestar essa porra desse vestibular de novo.

mais entao, retomando o assunto, eu ando realmente estranho, meus conceitos estao flutuando sem diraçao, uns afundando terrivelmente, cedendo lugar a outros que emergem com as surpresas da vida... nao consigo me concentrar como antes, nao consigo me dedicar como antes, nao consigo nem aproveitar a vida como antes, e igual queimar a lingua com cafe e depois comer alguma coisa; voce sabe que aquela comida era pra ter um certo gosto mais nao tem, o gosto e fraco, nao te sensibiliza as papilas gustativas (gastei agora heim...).

e como se voce andasse de bicicleta mais nao sentisse o vento na cara, acho paia esse tipo de coisa por que afeta outras pessoas tambem, minha familia, a ana... ultimamente nao tenho sido o melhor namorado que eu consigo ser, alguma coisa me impede de me dedicar como eu me dedicava antes, parece que ta faltando alguma coisa em algum lugar. esse ano foi especialmente chato, i eu que achava que 7 era meu numero da sorte... vamo ve se 2008 melhora um poquinho ne...

enfim, esse post ta uma merda, ainda bem que pouquissimas pessoas leem essa merda, to com planos de fazer uma lista enorme de filmes pra assistir, mais num tenho grana nem pra locaçao... dentre eles estao alguns do kubrick, do tarantino, e alguns hollywoodianos por que ninguem e de ferro ne heheheheheh.

achei um site otissimo (superlativo de otimo)

aqui vai (entre e se delicie)

http://www.wikipedia.org.br/wiki/Universidade_Federal_de_Goi%C3%A1s

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

go speed!

go speed racer,go!!


caralho vei, esse desenho e bom dimais, bons tempos em q eu assistia desenho e ficava satisfeito! mais isso faz parte do passado e esse post de hoje nao esta muito para nostalgias. tava aqui no computador lendo uns textos no wikipedia sobre diretores de cinema e percebi que acho toda essa coisa de cinema realmente muito boa. se eu passar no vestibular da unb, que sera nesse fim de semana agora, eu vo tenta entra la e trocar de curso pra cinema, ou entao presto outro vestibular no meio do ano.


fico imaginando a cara do meu pai se soubesse que uma ideia dessas ronda minha cabeça, hehehehe, o vei ia morre de disgosto. mais enfim, acho q caso eu passe na federal, essa carreira de engenheiro vai me encher o saco, saca? mas ai eu penso, "porra bixo, engenheiro?" eu tenho cara de engenheiro? queria trabalhar com arte mais acho que isso e coisa pra filhinho de papai que tem a vida feita, e que artista que nasceu pobre tem noventa e nove por cento de chance de morrer pobre. eh foda, o mundo da musica ta cada dia mais deteriorado, o que faz sucesso e so o que vende, e eu nao quero fazer musicas comerciais. as gravadoras mandaram, mandam, e mandarão na musica, sempre, e a nao ser que eu seja o dono de uma (o que nao e o caso) eu vou ter que abaixar a cabeça e fazer o que os caras quiserem.


talves nao seja tao ruim assim, mais prefiro continuar tocando so por hobby (coisa de boiola) mesmo. prefiro morrer tocando na garagem do que ser conhecido por ser o autor de sucessos como a "dança do creu" ou hits como "se ela dança, eu danço" e "funk do adulterio". fico indignado com essa juventude filha-da-puta, da qual eu faço parte, que sustenta esse tipo de coisa. todo mundo come, bebe, sente e dorme a midia, somos todos bombardeados com necessidades impostas pelos outros, pelos marketeiros que querem nos enfiar seus produtos desnecessarios pela guela abaixo. as vezes eu sinto falta da ditadura so pelo fato de ela incitar um pensamento politizado nos jovens. muitos morreram pela liberdade de expressão para que esses escrotos fizessem isso?
o povo parece que ta cego, parece que nao veem que a historia e a estoria se repetem, ficam irados com o nosso dignissimo presidente Lula pelos escandalos mas nao percebem que esse tipo de coisa sempre existiu, e com Lula ou sem Lula, sempre vai existir.


ai ai, cansei de meter o pau nesse mundocão por hoje, nos outros posts eu continuo falando de pessoas cretinas que nao exigem seus direitos e que acham que sao pobres por que Deus quis... em outros posts eu falo sobre Deus tambem; e por falar em Deus, ainda nao consegui sacar de qual que e a desse cara, se alguem ai sacar me conta por favor....


bom como eu to meio fraco de ideias mo momento, so vou mandar um beijao pra minha amiga isa isethy, companheira de todas as madrugadas desde ... muito tempo!!!!


por hoje e so pessoal....


ah, antes que eu me esqueça: acho q o video que eu pretendia postar do speed racer nao vai funfar, entao quem se interessar pode procurar por speed racer - o filme no youtube ou entrar no site oficial e baixar o trailer:


http://www.speedracerofilme.com.br

domingo, 13 de janeiro de 2008

o nascimento

bom, enfim resolvi fazer um blog. acho q no fim das contas so eu mesmo que vo visitar essa pagina, ou talves nem eu, mas parece uma boa maneira de organizar os retalhos pensamentos que enchem minha cabeça e me mantem acordado ate altas horas da madrugada...

hoje eu fui ao shoppinh bougainville e foi bom pra caralho, a ana i eu vimos um filme legal, depois passamos o resto do dia sentados num sofa que tem la na saida do cinema, conversando, rindo, e dando uns amassos de leve.

devo me lembrar de voltar la e fazer isso mais vezes, e recomendo a algum possivel leitor que por acaso resida em goiania que va ao shopping para conhece-lo.

acho que nao vou nem contar pra ninguem que fiz esse blog, e acho tambem que vou acabar abandonando ele como fiz com os fotolog's que ja criei, porem, ainda que seja so por um tempo, vamo ve que que vira....
acho que as pessoas deviam fazer mais blog's ao inves de mudar todos os dias a foto e a descriçao do perfil do orkut, que alias, e um comportamento tao ridiculo quanto o proprio orkut (nao que eu nao tenha, mas acho meio podre, mais vou deixar pra meter o pau no orkut em outro post)

musica do dia: in my head - (queens of the stone age)